Segurança Patrimonial: O que é?

O termo segurança patrimonial não é novo, mas com o avanço das técnicas, leis e da tecnologia, ele vem se transformando. Vamos apresentar aqui seus principais conceitos e alguns aspectos de sua aplicação.

A violência tem sido transformadora nos grandes centros urbanos. Ela tem mudado o comportamento das pessoas; diariamente vemos especialistas nos meios de comunicação, passando dicas de como se proteger em ambientes urbanos.

Esse tema também se estende as Pessoas Jurídicas, que além da proteção do patrimônio, tem de garantir a integridade de seus funcionários, fornecedores e clientes. E buscam soluções como a segurança patrimonial para isso.

Como definimos a segurança patrimonial?

Basicamente é a composição de elementos preventivos que visam proteger pessoas, bens e outros valores dentro de uma propriedade. Essa prevenção deseja combater coisas como assaltos, acidentes, tumultos, incêndios, sabotagem ou qualquer outra situação que venha lesar o estabelecimento.

Essa atividade segue a legislação que regula a segurança privada (vide Portaria da Polícia Federal 3.233/2012), e que também a nomeia de vigilância patrimonial.

Assim é possível listar os objetivos do trabalho da segurança patrimonial, que são:

  • Proteger os recursos financeiros e informações importantes de uma organização;
  • Preservar as instalações físicas do estabelecimento;
  • Coibir a depredação de materiais e equipamentos;
  • Acompanhar a movimentação suspeita de pessoas dentro da empresa;
  • Impedir que qualquer perigo coloque em risco a vida das pessoas que convivam no local vigiado.

Esses objetivos se consolidam por princípios básicos que se materializam nos seguintes pontos:

  • Prevenção – todos os riscos devem ser levantados previamente, em seguida criar planos de vigilância patrimonial adequados.
  • Inibição – quanto mais ostensiva é a vigilância, maiores são as chances de combater a ação danosa ao patrimônio.
  • Capacidade de reação – o sistema deve ser ágil para combater a ação de terceiros, que coloquem em risco a organização.
  • Treinamento – toda equipe que faz a segurança patrimonial deve ser treinada, e inteirada dos novos recurso e mudanças nas leis.
  • Integração – o setor de vigilância patrimonial deve estar articulado com outras áreas da empresa.
  • Transparência – desde a seleção dos vigilantes até a forma de trabalho, tudo precisa ser às claras.
  • Sigilo – o plano de segurança deve ser restrito a empresa contratante e o time que fará a vigilância.

Ferramentas de segurança patrimonial

Para que um planejamento da vigilância de um patrimônio funcione, é preciso dispor de mecanismos eficazes, tais como:

  • O trabalho de vigilantes – a forma mais habitual de se proteger o patrimônio é contando com o trabalho de vigilantes. Eles precisam passar por rigorosa seleção, e atender todas as exigências legais.
  • Barreiras físicas – trata-se de qualquer elemento que bloqueie a entrada de terceiros, sem serem liberados (portões, cancelas, alambrados, etc.)
  • Segurança eletrônica – alarmes, CFTV, controles de acesso, etc.
  • Serviços Inteligência – funcionam dentro do planejamento, e são excelentes ferramentas para buscar informações de possíveis ações criminosas na região, por exemplo.

Uma empresa que realiza segurança patrimonial deve se estruturar a partir desses elementos. E quanto mais experiência, maior a sua capacidade em garantir proteção para o patrimônio e pessoas.

O Grupo Company tem essas características, e por isto está há mais de 20 anos levando soluções em segurança patrimonial. Conheça mais nosso trabalho, navegue em nosso site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *